Palácio das Artes

O Edifício Douro tem uma carga histórica muito marcada. Ele foi fundamental na fundação da cidade, uma vez que outrora foi um convento Dominicano. O Largo de São Domingos marcou também uma importante zona comercial da cidade, sendo que era neste local que se faziam antigamente as feiras francas.

Além de outras funções o edifício foi também filial do Banco de Portugal, entes deste se mudar para um edifício de raiz construído na Avenida dos Aliados. Foi também sede da Companhia de Seguros Douro. O Edifício Douro encontra-se inserido no casco histórico da cidade do Porto e numa densa malha urbana.

Largo1

O desafio deste primeiro projecto era transformar o Edifício Douro, agora “adormecido” numa continuação da ESAP e dar vida a este marco histórico da cidade. Este edifício iria reunir em si as funções mais nobres da escola reservando para esse efeito espaços de conferências, exposições e investigação. Aqui seria criada a escola de ideias da ESAP.

O objectivo determinado neste exercício passou por fazer uma intervenção que não alterasse muito daquilo que pensamos ser do edifício original, antes de ser ultrajado na sua última função. Restituir-lhe alguma dignidade sem destruir a sua beleza e imponência originais.

O piso -1 é destinado a arrumações, é uma zona de armazenamento de apoio ao apoio ao bar/restaurante, uma vez que as escadas e elevador acedem directamente á cozinha e áreas de serviço. É também o local onde se fazem as cargas e descargas. O acesso a este piso é exclusivo dos funcionários.

O piso 0 é o piso mais permeável de todo o edifício. Aqui qualquer pessoa pode entrar. Quer sejam utentes do edifício, quer sejam transeuntes que passem na rua, podem sempre entrar para ver a exposição na galeria, ou então almoçar no restaurante. Na zona da galeria uma escada já existente liga a uma cota superior onde tem uma continuação dessa mesma área. Dessa área superior de galeria tem-se uma vista agradável das abóbadas do edifício, assim como das áreas inferiores através das áreas de pé-direito duplo. Destes espaços é possível também aceder ao patamar da escadaria principal que liga ao piso nobre.

O piso 1, no lado esquerdo, é o piso destinado ao trabalho de investigação. É aqui que se encontram os gabinetes e salas de trabalho para os utentes do edifício. Deste piso há também uma ligação directa á escadaria principal para depois aceder ao piso nobre.

O piso 2 é o piso nobre do edifício quer pela sua ornamentação, pelas escadas monumentais que encaminham a este piso e também a expressão que este tem na fachada. É neste piso que encontramos o auditório com capacidade 66 espectadores e a sala de actos com capacidade para 22 espectadores. É neste piso também que encontramos a sala de reuniões e a biblioteca.

 

Anúncios